Como a Tarifa Branca afeta a minha conta de luz?

Como a Tarifa Branca afeta a minha conta de luz?

Desde o início do ano, as consumidoras têm uma nova forma de economizar na conta de luz. A chamada Tarifa Branca, medida da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), entrou em vigor no primeiro dia do ano e veio ajudar os consumidores a adotarem o hábito de usar energia elétrica fora do horário de pico. Quem aderir voluntariamente à Tarifa Branca passa a ter a possibilidade de pagar valores menores ao consumir energia em determinados horários do dia.

Ela é voltada para clientes residenciais, rurais e comércio, denominadas grupo B (unidades consumidoras de baixa tensão – 127, 220, 380 ou 440 Volts). Os dois primeiros tipos de voltagem são os mesmos que chegam à sua casa, dependendo do seu Estado. Já os últimos são mais utilizados por fábricas.

Existem três faixas durante os dias úteis: ponta (horário de pico), intermediário (uma hora antes e uma hora depois do horário de pico) e fora de ponta (horário em que há menos consumo de energia). Nos dois primeiros, a energia é mais cara. Já em feriados nacionais e nos fins de semana, o valor é sempre fora de ponta.

Quem optar pela Tarifa deve estipular horários certos para a família tomar banho e não utilizar eletrodomésticos que consumam muita energia em horário de pico. “Outro ponto importante é ficar atenta ao site da distribuidora da sua cidade. Através dele, é possível saber quais são os aparelhos domésticos que mais consomem energia e quais são os horários mais caros”, comenta Cleber Zanetti, professor de gestão financeira, contabilidade e gestão tributária da IBE Conveniada FGV.

Perfil familiar influencia no valor da conta de luz

Se você for disciplinada quanto ao uso de energia em casa, a Tarifa Branca pode ser uma boa opção para economizar dinheiro. Porém, caso opte pela nova Tarifa e continue utilizando itens de alto consumo, como chuveiro elétrico, ar-condicionado, máquina de lavar e ferro de passar nos horários de maior consumo, a sua conta de luz pode ficar ainda mais cara.

Para você ter uma ideia, em média, o preço da tarifa pode subir até 83% no horário de pico, dependendo do Estado. No horário intermediário, a fatura pode aumentar 20%. Já fora do horário de pico, a tarifa deve cair 16%. Por isso, conscientize toda a família da importância de seguir rigorosamente os horários estipulados na sua cidade.

Qual o melhor horário para economizar?

De acordo com a Aneel, a manhã, início da tarde e madrugada são os períodos de menor demanda. Para conseguir uma economia consistente na sua conta de luz, você deve concentrar os banhos e utilizar os eletrodomésticos que puxam mais energia entre 22h e 17h.

Porém, esses períodos são diferentes para cada distribuidora. Através do site da Aneel, é possível conferir os horários de todos os Estados. Já a Eletropaulo, responsável pelo abastecimento da cidade de São Paulo, disponibilizou uma simulação com todos os eletrodomésticos e os horários em quais devem ser utilizados para uma maior economia. Confira se o serviço está disponível na sua cidade.

Quem consumir energia fora do horário de pico poderá ter uma redução de um quinto da tarifa em relação ao horário de pico. Em horários intermediários (18h às 19h e de 21h às 22h), a tarifa fica até um terço menor.

“Antes de aderir à Tarifa Branca, é preciso que a pessoa conheça bem o perfil de consumo da família. Faça uma análise de qual é o período de maior consumo da casa para saber se vale a pena fazer a transição. Ela apenas será vantajosa se for possível para a família distribuir o consumo ao longo do dia. Caso não seja, é melhor analisar com cuidado e considerar continuar com a Tarifa Convencional”, alerta Leandro Trajano, especialista em planejamento financeiro.

Quem pode solicitar e como aderir à Tarifa Branca?

Para que o desconto chegue à sua conta de luz, basta solicitar a adesão à Tarifa Branca na concessionária do seu Estado. Após o pedido, as distribuidoras terão até 30 dias para trocar o medidor da sua residência. O custo da troca do equipamento é arcado pela fornecedora de energia. Porém, eventuais despesas para alterações no padrão de entrada são do consumidor.

Você poderá, ainda, solicitar um medidor com funcionalidades adicionais, desde que pague a diferença em relação ao medidor convencional. Com o pedido, sua fatura também virá diferente – passará a discriminar os valores de consumo em cada período.

Contudo, existe um cronograma de prioridade. A partir de 1º de janeiro de 2018, as novas ligações foram disponibilizadas para unidades (residências, estabelecimentos comerciais etc.) com média anual de consumo mensal superior a 500 kW/h – cerca de 4 milhões de consumidores, como residências grandes e pequenos comércios e indústrias. Em 1º de janeiro de 2019, serão contempladas as unidades consumidoras com média anual de consumo mensal superior a 250 kW/h. São aproximadamente 20 milhões de clientes de menor porte.

Somente a partir de 2020 a tarifa será disponibilizada para todas as unidades. A Aneel estima que, neste caso, 50 milhões de consumidores serão beneficiados. Entretanto, o serviço não pode ser requisitado por famílias que se enquadram à categoria de baixa renda e têm desconto na iluminação pública, pelas unidades consumidoras que façam uso do sistema de pré-agendamento e por grandes indústrias.

Caso você perceba que não conseguiu diminuir sua conta de luz, é possível voltar a fazer parte da Tarifa Convencional. Para isso, a distribuidora deverá atender ao pedido em até 30 dias. Após o retorno à Convencional, uma nova adesão à Tarifa Branca só será possível após o prazo de 180 dias.

Para economizar na conta de luz, adote hábitos de consumo saudáveis

A Tarifa Branca veio como uma forma de conscientização sobre o uso de energia elétrica. Além de reduzir o consumo do recurso, essa iniciativa pode proporcionar uma boa economia. Para Trajano, alguns hábitos – como dar prioridade às lâmpadas de baixo consumo e comprar eletrodomésticos mais modernos – podem potencializar ainda mais a redução de gastos.

“Descubra formas de otimizar seus custos com energia. Junte o máximo de roupas para lavar e passar, evite vários televisores ligados ao mesmo tempo e não utilize a máquina de lavar, o chuveiro e outros eletrodomésticos da casa ao mesmo tempo. Tome cuidado com aparelhos ligados na tomada e não deixe luz acesa sem necessidade. Esses pequenos hábitos geram uma boa economia no final do mês”, conclui.

Fonte: Finanças Femininas 

Voltar